terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Museu do Folclore começa a mostrar seu acervo em exposições temporárias e pela internet

Lazara Camargo sorri ao ver presépio de sua autoria na exposição
Foto: Paulo Amaral/FCCR
Acompanhando tendência adotada por museus em diferentes partes do mundo, que passaram a disponibilizar ao público informações sobre suas reservas técnicas, o Museu do Folclore de São José dos Campos adotou um procedimento para começar a mostrar, de maneira presencial e virtual, os mais de mil objetos que integram o seu acervo.

O primeiro passo foi dado com a montagem da exposição temporária ‘Presépios do Vale’, com 26 presépios da reserva técnica, de diferentes figureiros e figureiras do Val do Paraíba. A mostra ocupa parte do espaço da exposição permanente do Museu do Folclore e os objetos também podem ser vistos pela internet.  

Confira aqui alguns presépios do acervo

“Museus do mundo inteiro têm adotado esta prática. As exposições temporárias e a divulgação pela internet são formas de aproximar o público do acervo do museu, uma vez que a estrutura atual da reserva técnica não permite visitações”, explica a museóloga do Museu do Folclore, Ana Silvia Bloise. “Essa é a primeira de outras exposições temporárias que pretendemos realizar ao longo do ano”, ressalta.

Além dos presépios, outros objetos da cultura popular fazem parte da reserva técnica do museu. São instrumentos musicais, bandeiras de folias, bonecões, vestimentas utilizadas em festas devocionais, trabalhos manuais em tecido, como fuxico, renda e bordados; livros de receitas culinárias, cadernos de recordações, brinquedos tradicionais, artesanato em barro e outros.

Boa parte desses objetos também integram o ‘acervo didático’ da reserva. São 710 objetos que podem ser emprestados à comunidade, geralmente para escolas ou instituições que desejam realizar trabalhos ligados à cultura popular. “Com a divulgação desse material pela internet será possível otimizar a sua utilização”, explica Ana Silvia.

Exposição

A exposição ‘Presépios do Vale’ tem obras de Lazara Camargo Santana, Eugênia da Silva, Maria Benedita dos Santos (Dona Lili), Maria da Graça e Silva, Maria Benedita Vieira (Mudinha), Luiz Paulo Ragazini e Reinaldo de Oliveira Paula (de São José dos Campos); Benedito Gomes (Seu Dito), Maria Luiza Santos Vieira, Josiane Sampaio (Josie), Maria Cândida Santos, Vagner Campos, Edith Alves dos Santos e Ismênia Aparecida dos Santos (de Taubaté); e Mariana e N.A.F. (de Pindamonhangaba).

A mostra também acontece em homenagem a Luiz Paulo Ragazini e Mudinha, falecidos em 2017. Ela pode ser visitada até o dia 4 de fevereiro de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 14h às 17h.

O Museu do Folclore é um espaço cultural da Fundação Cultural Cassiano Ricardo e sua gestão é realizada pelo Centro de Estudos da Cultura Popular (CECP), organização social sim fins lucrativos, com sede em São José dos Campos.

Museu do Folclore de SJC
Avenida Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7318

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Museu do Folclore reúne 12 Folias de Reis no final de janeiro para 21ª Chegada das Bandeiras

Chegada das Bandeiras deste ano deve reunir 12 Folias de Reis
Foto: Paulo Amaral/FCCR
O Museu do Folclore de São José dos Campos reúne no dia 28 de janeiro (domingo), a partir das 9h, 12 Folias de Reis do município e região. Elas participam da 21ª Chegada das Bandeiras, manifestação folclórica aberta ao público, que marca o encerramento do Ciclo de Natal e o fechamento do presépio do museu.

O encontro desses grupos acontece há mais de vinte anos no Museu do Folclore, que mantém em sua exposição permanente, na Sala Festas, vários objetos utilizados por Folias de Reis. A existência desses grupos e suas manifestações no Vale do Paraíba demonstram o quanto a cultura popular está presente na região.

Confira as folias participantes

São José dos Campos: Cia de Reis Esplendor do Oriente (Jardim Satélite), Folia de Reis São Vicente de Paula (Vila São Geraldo), Folia de Reis Estrela de Belém (Jardim Telespark), Folia de Reis de Santana (Santana), Cia. dos Três Reis Estrela do Oriente (Vila Terezinha), Folia de Reis do Mestre Zé Mira (Putim), Folia de Reis Bom Jesus do Buquirinha (Buquirinha).

São José do Barreiro: Folia de Reis Sertão da Onça. Paraibuna: Folia de Reis Alferes Bento. Jacareí: Folia de Reis Filhos do Oriente e Folia de Reis Nossa Senhora do Guadalupe. Caçapava: Folia de Reis da Paróquia da N.S. da Boa Esperança.

Celebração religiosa

A programação também prevê a realização, às 11h, de uma celebração religiosa, seguida de benção das bandeiras, pelo diácono Oscar Ivo, da Paróquia de Santana. O encerramento das atividades deve acontecer por volta das 16h. Até o final do mês o presépio pode ser visitado de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos finais de semana, das 14h às 17h.

O Museu do Folclore é um espaço da Fundação Cultural Cassiano Ricardo e funciona sob gestão do Centro de Estudos da Cultura Popular, organização da sociedade civil sem fins lucrativos, com sede em São José dos Campos.

Museu do Folclore de SJC
Av. Olivo Gomes, 100 - Parque da Cidade - Santana
(12) 3924-7318 e (12) 3924-7354

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Coleção Cadernos de Folclore pode ser acessada pela internet a partir de agora

Coleção foi digitalizada integralmente
para poder ser acessada pela internet
Foto: Paulo Amaral
Os 24 volumes da Coleção Cadernos de Folclore, publicados nos últimos 30 anos pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo e Centro de Estudos da Cultura Popular (CECP), passaram a ser disponibilizados também pela internet. As publicações impressas continuam à disposição de interessados, para leitura, pesquisa ou empréstimo, na biblioteca do Museu do Folclore de São José dos Campos.

O acesso via internet está disponível pelo blog do CECP e site do Museu do Folclore, nos formatos e-book e PDF.

A Coleção Cadernos de Folclore é um dos projetos desenvolvidos pelo Museu do Folclore, que visa divulgar e informar resultados de pesquisas científicas ou relatos de experiências a respeito da cultura popular. O trabalho também objetiva uma melhor compreensão e valorização do homem na sua realidade social; estimula consultas, reflexões e novas pesquisas na área da cultura popular.

O primeiro volume, ‘Azeite de Mamona’, de autoria dos folcloristas Toninho Macedo e Angela Savastano, foi publicado em 1986. Até 1998 as publicações foram feitas pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo e Comissão Municipal de Folclore. A partir de 1999, a coleção passou a ser publicada em parceria com o CECP, organização da sociedade civil responsável pela gestão do Museu do Folclore.

Neste período, 21 pesquisadores e estudiosos contribuíram com o resultado dos seus trabalhos. Além dos autores já citados, também fazem parte da coleção nomes como Américo Pellegrini Filho, Alberto T. Ikeda, Ricardo Gomes Lima, Carlos Rodrigues Brandão, J. Gerardo M. Guimarães, Cáscia Frade e Francisco Pereira da Silva (mais conhecido como Chico Triste).

Museu do Folclore de SJC
Avenida Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana
(12) 3924-7318 – www.museudofolclore.org