segunda-feira, 6 de fevereiro de 2023

Museu do Folclore realiza oficinas de máscaras de Carnaval nesta semana, de terça a sexta

Eunice Coppi em meio a muitas figuras criadas por ela
Foto: Claudio Vieira/PMSJC

O Museu do Folclore de São José dos Campos dá continuidade, nesta semana, às atividades relacionadas ao tema Carnaval, com a realização de oficinas de máscaras. A vivência ocorre de terça a sexta (dias 7, 8, 9 e10), das 14h às 16h30, com a artista popular Eunice Coppi, 63 anos, que utilizará a técnica de empapelamento.

Para participar não é necessário se inscrever e também não há limite de idade. Basta chegar e se integrar à atividade. As oficinas acontecerão no lado externo do museu.

A artista aprendeu a técnica de empapelamento quando participou do Grupo Piraquara, de projeção estética, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Depois disso, passou a utilizá-la na criação e construção do seu acervo, que hoje já conta com mais de 2.000 peças. 

Perfil

Eunice é mineira de Sabará e mora em São José dos Campos desde os 12 anos. Seu trabalho possui uma forte relação com a infância vivida em Minas Gerais e suas raízes afro-brasileiras.

Criada por sua avó, ela cresceu em um quintal repleto de árvores, hortas, córregos, pescas, músicas e brincadeiras. Quando criança, produzia os próprios brinquedos com materiais que estavam disponíveis ao seu entorno, o que sempre aguçou sua criatividade.

 

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100 – Santana (Parque da Cidade)

(12) 3924-7318 e (12) 3924-7354

www.museudofolclore.org

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

Carnaval será destaque nas três edições do programa Museu Vivo do mês de fevereiro

O músico e compositor Nilton Blau é um dos participantes


Assim como muitas outras manifestações populares, o Carnaval também ganha destaque no Museu do Folclore de São José dos Campos, na programação do Museu Vivo deste mês. O tema estará presente nas três edições nos dias 5, 12 e 26.

A vivência ocorre na área externa do museu, das 14h às 17h.

 

A primeira acontece, neste domingo (5), com a participação do músico Nilton Blau (Nilton Aparecido Barbosa), do artesão Benê (Benedito Domingos dos Santos) e do pipoqueiro José Antoniel Pinheiro.

 

Música

 

O joseense Nilton Blau, 58 anos, nasceu e cresceu ‘respirando’ cultura. Seu pai, Vicente Claudino Barbosa, era ator, poeta, violeiro, compositor e radialista. Foi com ele que Blau aprendeu a tocar viola. Com a avó, que morava em Paraisópolis, ele vivenciou cultura popular e religiosidade.

 

Mais tarde, já estudando na Escola Agrícola de Jacareí, relembrou das vivências na casa da avó e arrumou tempo para estudar música e outros instrumentos. E foi por meio desta escola que se aproximou do Grupo Piraquara, da Fundação Cultural, do qual passou a fazer parte depois.

 

Blau também compôs o hino de alguns blocos de Carnaval de São José dos Campos, como Pirô Piraquara, ‘Em Cuba lá’ e Galinha d’Angola. No domingo, vai comandar uma vivência musical sobre o Carnaval.

 

Artesanato

 

Benê, 63 anos, é mestre em cultura popular e detém saberes como artesão, figureiro, construtor de instrumentos (Luthier), de brinquedos tradicionais e bonecões. Ele também é pesquisador, fotógrafo, cenógrafo e escritor (autor do livro Gigantes do Vale).

No domingo, Benê compartilhará com o público presente seus saberes na produção de molde de argila para a produção de máscaras de Carnaval. Uma atividade bem típica da cultura popular nesta época do ano.

 

Culinária

 

Como em toda boa festa não pode faltar pipoca, ela está garantida para este domingo com a presença do pipoqueiro José Antoniel Pinheiro, 54 anos. Nascido em Cajazeiras (PB), ele mora em São José desde os 9 anos.

 

E pelos 29 anos que trabalha fazendo e vendendo pipoca, pode-se dizer que já é um mestre desta iguaria. Antes de trabalhar com pipoca e também com algodão doce, José já foi jardineiro e sorveteiro.

Gestão

 

O Museu do Folclore é um espaço da Fundação Cultural Cassiano Ricardo instalado no Parque da Cidade desde 1997. Sua gestão é feita pelo CECP (Centro de Estudos da Cultura Popular), organização da sociedade civil sem fins lucrativos, com sede em São José dos Campos.

 


Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100 – Santana (Parque da Cidade)

(12) 3924-7318 ou (12) 3924-7354


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2023

Museu do Folclore lança sexta-feira (3) o 28º volume da Coleção Cadernos de Folclore

Capa do novo volume da Coleção Cadernos de Folclore

O Museu do Folclore de São José dos Campos lança, sexta-feira (3), às 19h, o 28º volume da Coleção Cadernos de Folclore, intitulado Benzimento em Movimento: Materialidade, Bênçãos e Curas no Sul de Minas Gerais. A nova publicação é de autoria da antropóloga e pesquisadora Mariana de Carvalho Ilheo, 27 anos.

O lançamento ocorrerá no auditório Elmano Ferreira Veloso, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (Av. Olivo Gomes, 100 – Santana, no Parque da Cidade), onde a autora falará sobre a obra e participará de uma sessão de autógrafos. 

O livro é fruto de pesquisas realizadas ainda no final da graduação de Mariana de Carvalho, que se estenderam ao mestrado, entre 2014 e 2020. “Neste período, abordei temas como o benzimento, as Folias de Reis e as Congadas, além de festas e outros aspectos relacionados à religiosidade e à medicina popular, disse.

Ainda de acordo com a pesquisadora, após a finalização da pesquisa, o formato do texto foi trabalhado, originalmente, para ser um livro. “Eu só não podia imaginar que se tornaria um dos volumes da Coleção Cadernos de Folclore, uma das referências no estudo da cultura popular brasileira”, afirma Mariana.

Incentivo

Mariana conta que o incentivo para que ela inscrevesse sua pesquisa no processo de seleção realizado pelo Museu do Folclore foi do amigo e também um orientador da pesquisa, o historiador e antropólogo Hugo Soares (autor do 27º volume – Do Cemitério ao Altar – Um estudo sobre a devoção e o processo canônico do Padre Rodolfo Komórek).

“Vem daí a inspiração para integrar a coletânea, composta por mestres como Carlos Rodrigues Brandão, Cáscia Frade, Ruth Guimarães e Maria Thereza Lemos de Arruda Camargo. É, sem dúvida, uma grande honra estar entre esses nomes consagrados e ter a oportunidade de estreitar os laços entre os estudos do folclore e a antropologia”, enfatiza Mariana.

Perfil

Mariana de Carvalho é nascida em Campestre (MG), ao pé da Serra da Mantiqueira. Como bisneta de benzedeira, é fascinada pela cultura popular sul mineira, que testemunhou ao longo da infância.

Ela é graduada em Ciências Sociais, com ênfase em Antropologia, pela Universidade Estadual de Campinas, onde cursa a Licenciatura em Ciências Sociais.

Atualmente, é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, onde também é pesquisadora do Laboratório de Antropologia da Religião.

Atua em pesquisas relacionadas ao saber-benzer e aos diferentes modos e práticas de benzimento, com experiência voltada ao estudo etnográfico das religiões e dos rituais populares, sobretudo na região sul de Minas Gerais.

Projeto e Gestão

O projeto Coleção Cadernos de Folclore é desenvolvido desde 1987, ano que foi publicado o primeiro livro, Azeite de Mamona, de autoria dos folcloristas Toninho Macedo e Angela Savastano. Assim como os demais volumes, este também ficará disponível na biblioteca do museu Maria Amália Corrêa Giffonni e na internet.

O Museu do Folclore é um espaço da Fundação Cultural Cassiano Ricardo instalado no Parque da Cidade desde 1997. Sua gestão é feita pelo CECP (Centro de Estudos da Cultura Popular), organização da sociedade civil sem fins lucrativos, com sede em São José dos Campos.

 

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100 – Santana (Parque da Cidade)

(12) 3924-7318 e (12) 3924-7354

www.museudofolclore.org